Procon orienta consumidores para a Black Friday Brasil 2016

Procon orienta consumidores para a Black Friday Brasil 2016

Fazer compras pela internet é prático, mas requer alguns cuidados básicos. É preciso redobrar a atenção enquanto você faz sua compra em algum site ou serviço online e antes de fechar o negócio -- e assim evitar futuros problemas.

A Black Friday, que este ano vai acontecer no próximo dia 25 (sexta-feira), é considerada uma das principais datas para o comércio norte-americano, e, já há alguns anos, no Brasil essa tendência tem se tornado cada vez mais forte.

Por conta disso, pessoas mal-intencionadas aproveitam esse período de grande procura dos consumidores para tentar aplicar golpes. Por isso, é hora de redobrar a atenção.

Listamos abaixo algumas dicas para que você não embarque em frias:

1 - Evite as tentações da compra por impulso. Não esqueça de observar atentamente a descrição do produto, compare-o com outras marcas e certifique-se de que ele suprirá suas necessidades.

2 - É sempre bom verificar se a loja é de confiança: Confira se a empresa fornece o CNPJ, o endereço físico e os meios de contato.

3 - Outra dica é conferir a lista que o Procon-SP mantém atualizada com as lojas virtuais para serem evitadas por já terem apresentado problemas. Confira aqui a lista (http://sistemas.procon.sp.gov.br/evitesite/list/evitesites.php).

4 - Também vale observar a existência de alguns “selos” ou “badges” conquistados pela empresa a partir da avaliação por sistemas como o e-bit, que é baseado em pesquisas com os consumidores sobre a qualidade do site durante o processo de compra, pagamento e também depois da entrega do produto.

5 - Desconfie de ofertas muito absurdas e de sites que exigem pagamento por depósito em conta bancária.

6 - Procure sites com sistemas de pagamento seguro e criptografia de dados – verifique na barra de endereços na página de pagamento se aparece https://. em vez de http, pois o https significa que se trata de um ambiente seguro, e isso implica dados criptografados.

7 - Ao criar seu cadastro na loja virtual, é muito importante não utilizar a mesma senha do seu email, de banco, cartões etc. E jamais faça transações online em computadores desconhecidos (lan houses, cyber cafés, máquinas ou redes públicas), pois eles podem não estar adequadamente protegidos.

8 - O consumidor deve reclamar em caso de mudança na oferta ou qualquer dificuldade no ato da compra. Se o site estiver instável ou se o preço variar durante a compra, salve as informações e faça uma reclamação à empresa. A oferta deve ser cumprida de acordo com a divulgação.

9 - Cuidado com o preço do frete. No ano passado algumas lojas elevaram muito as taxas cobradas para a entrega, fazendo com que o desconto oferecido no produto acabasse não valendo a pena para o consumidor.

10 - Salve ou imprima tudo que for relacionado à compra. O consumidor deve sempre guardar a oferta, o pedido, o comprovante de pagamento, o contrato e os anúncios publicitários relacionados ao produto que você adquiriu.

11 - Acompanhe os preços dos produtos que deseja antes da Black Friday. Um auxílio para essa tarefa são os sites de comparação de preços, especialmente aqueles que oferecem um histórico do valor do produto.

12 - Nas compras pela internet ou por telefone, o consumidor tem um prazo de sete dias para se arrepender, cancelar a compra e receber o seu dinheiro de volta.

13 - O Código de Defesa do Consumidor estabelece o prazo de 30 dias para reclamações sobre problemas aparentes ou de fácil constatação no caso de produtos não duráveis e de 90 dias para itens duráveis, contados a partir de sua verificação.

14 - O preço promocional não anula os direitos do consumidor: os direitos relativos a troca do produto com defeito, por exemplo, permanecem mesmo que ele esteja em promoção.

15 - No ato da entrega, só assine o documento de recebimento após examinar o estado da mercadoria. Havendo irregularidades, estas devem ser relacionadas, justificando assim o não recebimento.

16 - Produtos importados adquiridos no Brasil em estabelecimentos devidamente legalizados seguem as mesmas regras dos nacionais.

Comentar esta notícia